No âmbito do processo de transferência de competências na área da Educação, a vereadora montemorense com o pelouro da Educação, Diana Andrade, está a realizar um périplo pelas escolas do concelho para saudar os 86 trabalhadores que transitaram do Ministério da Educação para o mapa de pessoal da Câmara Municipal Montemor-o-Velho.

 
“Queremos dar-vos uma palavra de boas-vindas a esta casa e agradecer-vos todo o empenho diário ao longo dos anos, principalmente nestes tempos difíceis em que o trabalho acrescido e o medo permanente não impedem que todos continuem com uma vontade imensa de que nada falte na escola pública”. Diana Andrade sublinhou que “é, também, graças à entrega e dedicação dos assistentes operacionais e dos assistentes técnicos que os alunos podem estar em segurança na escola e os professores podem dar aulas”. Reforçando que estes trabalhadores “são mais do que números numa folha de excel ou nomes em listas do Diário da República”, a vereadora reiterou que “são absolutamente fundamentais, ainda que por vezes possam pensar que o vosso trabalho é invisível e que são esquecidos, para nós são uma parte importante da comunidade educativa, tal como os alunos ou os professores e educadores”. 
 
Afirmando que “somos todos uma equipa”, Diana Andrade assumiu a existência de alguns problemas relacionados com falta de pessoal para o normal funcionamento dos espaços, informou que a Câmara tem em curso um concurso público para 7 assistentes operacionais e garantiu que “já foram reivindicados em sede própria muito antes da transferência de competências e nunca tiveram solução, mas vamos continuar, com a mesma responsabilidade, a fazer tudo para os resolver”. Recorde-se que, na passada reunião de Câmara, foi aprovada uma moção apresentada pela vereadora da educação a enviar ao Ministro da Educação a reivindicar uma solução para a ausência de tutela do edifício da Escola EB 2,3 de Montemor-o-Velho.

Considerando os problemas de atrasos ou não comparência dos transportes escolares que hoje deveriam ter entrado em funcionamento, a Câmara Municipal de Montemor-o-Velho esclarece que:

1. O transporte dos alunos foi articulado e assumido pela empresa de transportes;

2. Os horários foram definidos tendo em consideração as necessidades elencadas pelo Agrupamento de Escolas;

3. Os transportes públicos são controlados pela autoridade de transporte regional, a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC), que tem sido absolutamente incansável na resolução dos problemas que têm surgido.


Estamos a acompanhar e a registar as falhas de operacionalidade verificadas, procurando ativamente, junto da transportadora e da CIM-RC, resolver os problemas com o transporte escolar.
Existe o compromisso e a confirmação por parte do operador de que amanhã os transportes serão assegurados como previsto.


Mais informamos que os passes irão ser entregues, até 3ª feira, no agrupamento de escolas pela transportadora, podendo os alunos andar nos transportes sem apresentar aquele documento até essa data.

O Município de Montemor-o-Velho planeou o ano letivo 2020-2021 para que o retorno presencial das atividades letivas decorra com condições de segurança para toda a comunidade escolar.

 
Num ano marcado pela pandemia por COVID-19, a Câmara Municipal de Montemor-o-Velho está focada no cumprimento das normas da Direção Geral de Saúde e na implementação de medidas que visam mitigar o alastramento da pandemia, protegendo os alunos e toda a comunidade educativa, sem esquecer a aposta feita numa educação de excelência e na promoção da igualdade e da cidadania.
 
Neste sentido, todas as escolas foram dotadas de material de desinfeção, fazendo cumprir os planos de contingência definidos. A Autarquia montemorense entregou materiais para higienização pessoal e dos equipamentos, como garrafões e doseadores de álcool gel, desinfetante de superfícies e tapetes desinfetantes.
 
No que diz respeito às Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF), o Município de Montemor-o-Velho tem definido que as crianças vão continuar na sala em que estão durante o período letivo, por forma a minimizar os riscos de contágio e a interação com crianças de outras turmas e grupos. Também as idas à rua e ao recreio por parte das crianças serão, naturalmente, desfasadas procurando evitar o contacto com outras crianças.
 
Também os transportes escolares, gratuitos para os alunos que residem a mais de 3km, desde o ensino básico ao secundário (sendo, no caso dos alunos do secundário que se encontram a estudar fora do concelho, comparticipado a 50%), arrancam já amanhã, com horários definidos tendo em consideração as necessidades elencadas pelo Agrupamento de Escolas. Caso se verifiquem falhas pontuais, solicitamos aos encarregados de educação que reportem à Câmara Municipal pelas vias oficiais. 
 
“É um ano atípico, mas estamos verdadeiramente empenhados na segurança de todos, em especial das nossas crianças. Da parte do Município de Montemor-o-Velho, estão reunidas as condições de segurança para iniciarem amanhã as aulas”, garantiu a vereadora da educação montemorense. Diana Andrade acrescentou ainda que “este é um momento difícil, mas extremamente importante. Estamos a trabalhar árdua e incansavelmente, com responsabilidade, em prol da educação, da segurança e do futuro do nosso concelho. Estamos prontos! Apelo para que todos sejam prudentes e se protejam.” 
 
 
 
 
 

A Carta Educativa de Montemor-o-Velho, em processo de revisão, foi apresentada esta semana ao Conselho Municipal de Educação.

Recolhendo parecer favorável por todos os elementos daquele fórum, este importante instrumento de planeamento e ordenamento prospetivo da rede de equipamentos de educação e ensino do concelho de Montemor-o-Velho foi aprovado por unanimidade, sendo agora submetido para apreciação da DGESTE.


O documento, que se constitui como uma radiografia do concelho, reveste-se de extrema importância estratégica, uma vez que permite orientar o projeto educativo do concelho para o futuro, sendo uma base de trabalho fundamental para a tomada de decisões e a definição de prioridades, articulando a rede educativa com a dinâmica social e o desenvolvimento do território.

A Escola Profissional Agrícola Afonso Duarte (EPAAD), em parceria com a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro (DRAPC), promoveram esta manhã, 14 de outubro, um dia aberto para divulgar os ensaios da cultura do milho desenvolvidos nos campos do Bico da Barca e do Sabico de Areias, em Montemor-o-Velho. A iniciativa demonstrou a cerca de 100 investigadores, técnicos, produtores, agricultores, docentes, estudantes e empresários agrícolas "todo o trabalho desenvolvido nos ensaios, desde as novidades no campo da fertilização, às novas variedades de milho, ao comportamento das sementes e dos adubos na campanha agrícola”, explicou Joaquim Carraco, diretor da EPAAD.
"Experimentar e divulgar as variedades com melhor adaptação para a produção de grão e silagem no Baixo Mondego” é um dos objetivos principais destes ensaios realizados em parceria com a DRAPC e com várias empresas do setor. Para Joaquim Carraco, “este é um dia importante para a EPAAD, uma vez que demonstra a abertura da escola à comunidade”.
Presente na visita aos ensaios de variedades dos ciclos, Emílio Torrão, presidente da Autarquia Montemorense, acompanhado pelo vereador José Veríssimo, elogiou a iniciativa e “todo o trabalho realizado pelos alunos, pela Escola Profissional Agrícola e pelos parceiros” e salientou a importância e utilidade destes ensaios para os agricultores da região.
 
 
EPAAD volta a hastear Bandeira Verde
O Dia Aberto da cultura do milho foi ainda aproveitado para a cerimónia de hastear da Bandeira Verde Eco-Escolas na EPAAD. Símbolo do trabalho na área da educação ambiental e de sustentabilidade, o galardão reconhece e premeia o trabalho desenvolvido pela EPAAD na melhoria do desempenho ambiental em 2015/2016. Na ocasião, a vereadora da educação e presidente da Associação Diogo de Azambuja, Paula Rama, aplaudiu o “empenho, a motivação e a dedicação que os jovens alunos e professores da Escola Profissional têm para com a ecologia e o ambiente”. 

Saber...